30.9.08

Motivação!

Fica aqui uma nota mais positiva. As aulas de apresentação com os Assistentes Dentários correram muito bem. Tenho mais testes para corrigir e muitas actividades para preparar para amanhã. Para além disso há que elaborar os programas dos dois anos assim como os critérios e parâmetros de avaliação. O tempo não dará para tudo, mas pelo menos o sentimento de frustração infligido por uns é atenuado por outros. E isso só por si já é bem positivo!

Desmotivação?

E ainda falam na motivação dos alunos? E a dos professores? Quem me dera a mim ter este ano a pior turma que tive no ano passado. Á excepção do 10º ano (que também tem os seus períodos maus) as aulas do 7º têm-me custado horrores... Resta-me descobrir o que fazer perante miúdos tão desinteressados, desmotivados, amuados e mimados. Para breve pretendo fazer uma qualquer actividade em que possa recorrer às TICs para ver se obtenho algum resultado positivo.

28.9.08

Atolada em trabalho

Já despachei a correcção dos testes de diagnóstico. Agora só me falta fazer as médias e uma análise dos resultados dos testes, que são no geral uma miséria. Entretanto já elaborei os testes de diagnóstico para os Assistentes Dentários, os meus novos alunos, com os respectivos critérios de correcção.

Tenho muito mais para fazer, mas parece que estou finalmente a conseguir organizar-me.

Entretanto cheguei à conclusão que terei de estabelecer regras rígidas para os testes (e obrigar os meninos a escreverem-nas nos cadernos diários), nomeadamente: não se pode fazer bonequinhos, rabiscos, florzinhas ou borboletas nos enunciados dos testes, os testes devem ser sempre escritos a caneta e os alunos deverão sempre indicar o nome, número e turma na folha de teste. Parece básico, certo? A verdade é que uma parte das crianças, mesmo depois de eu ter chamado a sua atenção para estes aspectos, achou que não valia a pena seguir o que eu dizia. O que eles se vão arrepender...

26.9.08

Novos desafios

Surgiu inesperadamente um novo desafio profissional. À actividade de professora passarei a juntar a de formadora. São mais 8 horas semanais de trabalho com mais 2 turmas. Estou entusiasmada e com grandes expectativas e ideias. Terei mais autonomia do que a que tenho enquanto professora do ensino oficial e o local de trabalho parece bem mais agradável.

Pode ser que a minha vida esteja mesmo a atravessar uma mudança benéfica. Seria bom para variar.

22.9.08

Num rodopio

Tive um fim-de-semana em cheio! Mas agora estou de rastos. O sábado foi passado alegremente na companhia de amigos de infância e adolescência num convívio-piquenique organizado por um deles. Foi um verdadeiro sucesso! Foi engraçado ver tanta gente bem disposta e a correr atrás dos seus rebeldes rebentos. Mais giro ainda foi constatar que os rapazes, em especial, continuam a ser os mesmos gaiatos de há 15/20 anos: as mesmas conversas, as mesmas piadas, as mesmas expressões e até mesmo, em alguns casos, a mesma forma de vestir.

À noite fui jantar com a cara-metade e aproveitei e namorei muito. Há que aproveitar o pouco tempo de que dispomos juntos.

O domingo foi passado com a família: almoço, seguindo-se um passeio ao Oceanário e finalizando-se com o jantar em casa de uns tios. Não trouxe nenhum peixe do Oceanário mas acabei por me encantar com um móbil do sistema solar visto por acaso na gift shop lá do sítio. Estou em pulgas para o construir e pintar, colocá-lo no tecto do quarto e deitar-me na cama a observar os planetas. Terei, contudo, de aguardar uns dias: há que despachar primeiro os currículos, as matrizes, os critérios de correcção e as correcções dos testes de diagnóstico. Boring...

Há muitas fotos para ver. Seguir-se-ão em breve.

19.9.08

....

A primeira semana na escola nova já passou. As primeiras impressões não são muito positivas. Chateia-me imenso esta ideia de termos de fazer bolos sem ovos, e sem farinha, e sem açúcar e sem leite.

É aguardar com paciência e esperar para ver o que sai do forno...

18.9.08

Quase à beira de um ataque de nervos

Ainda não consegui organizar-me devidamente o que me começa a desesperar porque não consigo lidar bem com o caos. As informações chegam-me dispersas. "Há que fazer isto."; "Tens de fazer isto." Quando por vezes pergunto "E como se faz isto aqui na escola?" obtenho muitas vezes a resposta "Não sei.", o que ajuda imenso...

Já conheci as três turmas: duas do 7º e uma do 10º profissional. Os do 10º parecem-me bem porreirinhos. Numa das turmas do 7º são mais calminhos, na outra terei de os obrigar a acalmarem-se, mas pelo menos parecem espevitados e uns quantos parecem ter vontade de aprender e participar activamente nas tarefas. Nas turmas de 7º, uma com 25 e outra com 26 alunos, há um registo de 9 repetentes em cada uma.

A funcionária da reprografia segundo consta está grávida, facto que ainda não consegui verificar pois de cada vez que lá me dirijo a senhora não está lá. Encontro-me à espera do manual do 7º. Hoje quis requisitar um retroprojector para amanhã, mas já se encontra requisitado... e há apenas um, pelos vistos, naquele andar daquele pavilhão. Aquilo que eu pretendia fazer com o retroprojector pode ser feito com umas fichas de trabalho, mas se eu não encontro a funcionária da reprografia dificilmente conseguirei fotocópias das fichas. Ando aqui a magicar a melhor forma de dar a volta à situação.

Mas não eram o senhor Primeiro Ministro e a senhora Ministra da Educação que falavam em portáteis para aqui e portáteis para acolá, e mais internet e mais tecnologia? Nem sei porque me preocupo eu com retroprojectores e fotocópias...

Bem vistas as coisas nem tenho tantas razões quanto isso para me lamentar. Pelo menos não me deparei com esta situação.

15.9.08

O primeiro dia

Não estou particularmente entusiasmada com a nova escola. Só conheci uma turma cujos alunos, na sua maioria, pensavam ainda não ter professor de Inglês. E qual não foi o meu choque ao abrir a porta da sala de aula e ver umas filas de carteiras com uns monitores imensos em cima. Comecei logo a pensar: "Mas como raio vou eu ver as carinhas das crianças?" Não vou, ficou provado. Vejo quando muito uns cabelitos a despontar no topo dos monitores e, de vez em quando, umas caritas lindas a espreitarem pelo meio dos monitores.

Já fiz a minha primeira incursão ao C.E. depois da apresentação e espero que nos mudem de sala!

13.9.08

Tarde de cinema

Maravilhoso. Big Fish de Tim Burton deixou-me absolutamente encantada.

11.9.08

Good things still seem to happen

A colocação afinal antecipou-se. Esperada lá para meados de Novembro eis que resolveu vir já na fornada da 1ª cíclica. Para espanto de todos, naturalmente. Mas muito me alegrou. Amanhã saberei mais pormenores sobre o horário de apenas 10 horas lectivas mas que se prolongará até ao final do ano lectivo.

Esta luz ao fim do túnel veio aligeirar um pouco o negativismo dos últimos acontecimentos que me dizem directa e indirectamente respeito e espero também que venha a ser fonte de força e de coragem para me ajudar a mudar o meu rumo - desistir e começar de novo.

E para demonstrar este meu desejo de mudança fica uma viagem já agendada para 2009 com destino à Hungria. Ganhar um ordenado, que será infelizmente muito pequeno, ajudará à concretização dos planos da viagem. Quem sabe a minha alma gémea não se encontra a deambular pelas ruas de Buda e Peste?

9.9.08

6 meses

6 meses para descobrir que gostar só não basta. Que é preciso muito mais para me preencher, para me encher a alma. 6 meses para descobrir que afinal só me apetece desistir. Tendo em conta que levei 36 anos para perceber que nem tudo é como queremos ou desejamos, 6 meses não é nada.

7.9.08

Cinefilias

No cinema:

Mamma Mia dispõe bem. É alegre, divertido. Faz-nos acreditar no amor e na felicidade. Tudo ao som dos Abba.

Em DVD:

Confirmei o seguinte: os filmes do Jim Jarmusch dão-me definitivamente sono. Dead Man é o filme mais secante e insípido que vi desde Coffee and Cigarettes.

Isto no que toca ao cinema independente americano é melhor ficar-me pelo Todd Solondz e pelo Hal Hartley. Fazem mais o meu género.

...

Desta vez não haverá cola no mundo que ajude a colar os bocadinhos do meu coração. Serão tantos e tão pequeninos.

5.9.08

Assim divago

Sou mais intransigente e bem menos compreensiva hoje do que há 10 anos. E acho que isso não é bom pois não estou tão atenta às necessidades, dificuldades, carências e vulnerabilidades dos alunos. Por outro lado, constatei já há algum tempo que o prazer de ensinar reduziu drasticamente ao longo dos anos e esta começa a ser uma actividade cada vez mais penosa devido a todas as suas contrariedades: as colocações a meio do 1º período somente para fazer uma substituição. A adaptação, que se quer em tempo relâmpago, a uma nova comunidade escolar. A falta de apoios a todos os níveis. O trabalho que se quer feito muitas vezes sem bases para tal. A incerteza e a insegurança que passaram a fazer uma constante da vida de todos os dias. Mas depois fica sempre uma réstia de esperança quando ao despedir-me de uma das minhas alunas , depois de umas linhas trocadas no MSN, ela dizer-me "Até daqui a 2 semanas!" e eu acreditar que um dia tudo possa vir a ser diferente.


3.9.08

The Hottest State

Fiquei francamente desapontada. Não consigo determinar se tal se deva ao facto de eu não estar in the mood para o filme, mas confesso que durante todo o tempo eu não consegui abstrair-me das caras de parvo e de sonsa dos protagonistas. Quando li o livro (trata-se do primeiro romance de Ethan Hawke) não desgostei e por isso já tinha criado algumas expectativas em relação ao filme, acrescidas por saber que o argumento e a realização estavam também a cargo do actor. Não valeu definitivamente os 6 euros (!!!) do bilhete.